Agroecologia / Jardim Comestível / Pomar agrofloresta / Saúde

Jardinagem para o corpo, mente e espírito

Fonte: Permaculture news –  Tradução livre por: M. E

Eu vou a natureza para me acalmar e curar, e ter meus sentidos colocados em sintonia novamente. – John Burroughs (1837-1921), naturalista e escritor norte-americano.

Visto por diferentes esferas, a jardinagem é um hobby muito saudável. Não é apenas sobre encher nossa barriga de comida, todavia, não há muito mais a se ter a partir de um jardim bem concebido do que uma refeição saborosa!

Colônia Witmarsum - Foto BioWit

Colônia Witmarsum – Foto BioWit

Se entendermos corretamente a nossa relação com as plantas e com a própria natureza, podemos então criar projetos de jardins mais amplos e que oferecem maneiras mais benéficas com o ambiente.

Este artigo explora os benefícios da jardinagem para a saúde das pessoas, por meio do respaldo de algumas recentes pesquisas científicas. Em seguida, o artigo pretende expandir o escopo dos projetos de permacultura para obter e compreender o máximo sobre os benefícios oferecidos pelos jardins comestíveis.

Como a jardinagem pode ser boa para você?

Estudos mostram que a jardinagem promove a saúde física e a saúde mental por meio do relaxamento e satisfação, melhorando ainda a nutrição. Na primeira parte deste artigo, aponta-se os muitos benefícios bem pesquisados ​​e documentados sobre a saúde relacionada a jardinagem – ou seja, as razões pelas quais todos deveríamos estar fazendo qualquer tipo de jardinagem!

Jardinagem para o Corpo

A principal razão pela qual as pessoas decidiram cultivar o próprio alimento há milhares de anos atrás, basicamente era para sustentar seus corpos. Esta ainda é uma razão muito válida, mas há muitas outras razões pelas quais a jardinagem é benéfica para a nossa saúde. Algumas delas são:

Alívio do estresse – Um estudo realizado na Holanda indicou que a jardinagem pode aliviar o stress de modo mais eficiente que outras atividades de lazer. Nesse estudo, dois grupos de pessoas foram obrigados a completar uma tarefa estressante. O primeiro grupo praticou a jardinagem durante 30 minutos, enquanto o segundo outro grupo fez uma leitura dentro de casa durante o mesmo tempo. O grupo de jardinagem relatou estar com um humor melhor do que o grupo de leitura, e eles também tinham níveis mais baixos de cortisol – o hormônio do estresse [1].

Exercício – A atividade de jardinagem também é boa para o corpo. É o exercício físico regular saudável que ajuda a prevenir doenças cardíacas, pressão alta, obesidade, diabetes e osteoporose. Pesquisadores da Universidade de Kansas State já provaram que a jardinagem pode oferecer atividade física moderada o suficiente para manter os adultos em forma [2]. Isto foi confirmado por um outro estudo em que os pesquisadores concluíram que a jardinagem é uma ótima maneira para idosos atenderem as recomendações de atividade física estabelecidos pelos Centros para o Controle e Prevenção de Doenças do American College of Sports Medicine [3].

A saúde do cérebro – Outro estudo acompanhou pessoas entre 16 até os 70 anos, e descobriu que aqueles que cultivam jardins regularmente tiveram um risco 36% menor de demência comparado aos que não tinham o habito de cultivar, mesmo quando uma série de outros fatores de saúde foram levados em consideração [ 4].

Nutrição – Estudos têm demonstrado que os jardineiros comem mais frutas e legumes do que outras pessoas. A comida mais fresca que você pode comer é a comida que você cultiva, e quando você tem acesso a um jardim repleto de frutas e legumes, você é capaz de comer alguns dos alimentos mais saudáveis ​​que você pode conseguir! Essa pesquisa investigou as ligações entre dieta e doenças, e descobriu que as pessoas que consomem mais frutas e vegetais têm um menor risco de morrer de doença cardíaca [5].

Cura – A interação com a natureza também ajuda o nosso corpo a curar enfermidades. Uma pesquisa realizada por Roger S. Ulrich, publicado em 27 de abril de 1984, na edição da revista Science, encontrou fortes evidências de que a natureza ajuda a curar. Ulrich, um pioneiro no campo dos ambientes terapêuticos na Texas A & M University, descobriu que pacientes em recuperação de uma cirurgia da vesícula biliar, que observavam a natureza tiveram tempo de internação significativamente mais curtos, menor número de queixas, e menor uso de medicação para a dor, do que aqueles que olhavam para uma parede de tijolo [6].

Imunidade – Em 2007, o neurocientista Christopher Lowry, então trabalhando na Universidade de Bristol, na Inglaterra, fez uma descoberta surpreendente. Ele constatou que certas inofensivas estirpes que se desenvolvem no solo – Mycobacterium vaccae – estimulam fortemente o sistema imunitário humano. É bastante provável que a exposição a bactérias do solo desempenha um papel importante no desenvolvimento de um sistema imunológico forte [7].

Jardinagem para a Mente

O mesmo Mycobacterium vaccae – bactérias inofensivas normalmente encontrados no solo – tem sido usado para estimular o sistema imunológico de ratos e também foi usado para aumentar a produção de serotonina, que é responsável pela regulação do humor. Os baixos níveis de serotonina estão associados com a depressão. Então, entrar em contato com o solo, por meio da jardinagem pode realmente elevar o nosso estado de espírito [7].

As propriedades antidepressivas de M. vaccae foram descobertos acidentalmente durante a sua utilização para o tratamento experimental de câncer no pulmão humano, pelo pesquisador de câncer Mary O’Brien, no Royal Marsden Hospital, em Londres, Inglaterra. Depois que os pacientes foram tratados com vacinas mortas pelo calor das bactérias, a equipe de O’Brien observou não só menos sintomas de câncer, mas também melhorias na vitalidade de seus pacientes, na melhoria da saúde emocional e habilidades mentais.

Pesquisadores encontram frequentemente em seus estudos que os indivíduos que participam de jardinagem têm uma atitude mental positiva [8] [9] [10]. Estudos relatados no Journal of Psicologia da Saúde em 2012 mostram que as pessoas que sentem uma conexão com a natureza são realmente mais felizes [11].

Foi ainda apresentado que a jardinagem ajuda a prevenir demência em idosos [12]. Sua prática exige pensar, aprender e usar a sua criatividade. Ao manter a mente ativa, ela serve como uma medida de proteção contra essas doenças degenerativas.

Devemos lembrar também que nós, seres humanos somos criaturas sociais, e mantemos a saúde psicológica e emocional, interagindo uns com os outros em alguma forma de comunidade. Na jardinagem é possível conectar com as pessoas por meio das hortas comunitárias, que oferecem uma oportunidade ideal para a interação das pessoas, umas com as outras. A pesquisa indica que a jardinagem local traz um melhor senso de comunidade [8] [9] [10].

Bem estar e o desenho adequado do jardim

Voltando ao básico, a permacultura é tudo sobre as relações de todos elementos disponíveis no desenho da paisagem, que pode variar de um projeto para outro. Isto é o que a distingue da horticultura convencional e da agricultura em escala visto em um senso de design da paisagem (desenho). Muitas vezes, nós como designers esquecemos que somos um dos elementos a ser incluso no projeto de design, e que devemos projetar conexões de relacionamento também. Com elementos estáticos que são fixos no lugar, posicioná-los para criar as relações que desejamos. Portanto, é preciso pensar em criar conexões e relações com um elemento dinâmico não fixo, nós mesmos – para projetar relações que surgem com outros elementos em todo o nosso sistema à medida que se move através dele!

Centrar-se mais nas pessoas não é a solução real, muitas vezes é um problema maior em si mesmo, como é evidente no conceito gravemente falho dos modelos antropocêntricos que realmente são visíveis na permacultura. Projetos antropocêntricos são muitas vezes tão desviados para o foco nas pessoas que o elemento humano não está corretamente incorporada no ‘teia da vida’ biológica, mas artificialmente e equivocadamente “exaltado” acima dela. Em tais casos, o designer ‘fica acima e para além de’ e, basicamente, projeta um sistema de produção para simplesmente obter rendimentos, em vez de sistemas inclusivos aonde as pessoas podem fazer parte da natureza, criando um nicho ecológico harmonioso de existir e interagir. A concepção antropocêntrica parece mais com uma ‘mini-fazenda’ aonde as pessoas só interagem com a comida da colheita, dando pouca ênfase a ecologia. Isso simplesmente resulta em um sistema mais intensivo de energia e de trabalho que minimamente aproveita os processos ecológicos!

Um dos maiores problemas com os modelos da produção agrícola é a tendência de se concentrar apenas em um aspecto benéfico que as plantas podem oferecer para as pessoas, a nutrição. Infelizmente,  esquece-se os muitos outros benefícios obtidos a partir da conexões entre pessoas e plantas.

Nas sociedades modernas, a nossa mentalidade não questiona, mas aceita os modernos ambientes feitos pelo ser humano, que consequentemente o desconecta da natureza como um todo. Tal ponto de vista é tão distorcido da realidade que perdemos a perspectiva do fato de que, como os organismos em constante evolução, somos adaptados para funcionar melhor em nosso próprio nicho ecológico natural. E não em ambientes artificiais estéreis que só surgiram na último minuscula fração da existência da nossa espécie!

Se olharmos para todos os aspectos do nosso ser, percebendo a “hierarquia das necessidades”, como descritos pelo psicólogo Abraham Maslow, vemos que uma vez satisfeitas as nossas necessidades fisiológicas básicas, não é o fim da história. Há muito mais para nós, e não há muito mais que os jardins e a natureza podem oferecer para nossa espécie.

Jardinagem para o Espírito

Um jardim pode também servir as nossas necessidades mais elevadas. Ele pode fornecer um espaço harmonioso para relaxar, descontrair, refletir e nos restaurar. Pode servir como um lugar para apreciar a beleza, as formas e cores da natureza. É um lugar para observação, aonde podemos observar os ecossistemas e os organismos vivos, aprendendo com eles.

A jardinagem reconecta o ser humano com os ciclos da natureza. Estes ciclos são o ritmo da própria vida. Quando passamos um tempo no jardim, podemos aprender a desacelerar, e nós perdemos a sensação do tempo e do espaço e esquecemos nossas preocupações diárias, e nos encontramos em um estado Zen aonde estamos totalmente imersos em nossas atividades nesse momento intemporal.

De acordo com a Clare Cooper Marcus – professora emérita da Universidade da Califórnia, em Berkeley, e uma das fundadoras do campo da psicologia ambiental – uma das razões por que a natureza pode ser tão bem sucedida na redução do estresse é que ela dispõem a mente em um estado semelhante à meditação. Isso quer dizer que quando o indivíduo se envolve com a natureza, simplesmente para de pensar de modo obsessivo e preocupante. Logo, os sentidos são despertados, levando a pessoa para o momento presente, e isso tem se mostrado muito eficaz na redução do estresse, diz Marcus, com base em suas próprias observações [13].

Naturalista da Harvard e ganhador do Prêmio Pulitzer, Edward O. Wilson cunhou o termo biofilia (amor aos seres vivos) e acredita que a natureza tem a chave para a saúde. De acordo com Wilson, temos uma afinidade com a natureza, porque somos parte da natureza. Ele prefere olhar para flores e grama, em vez de concreto ou aço. Afinal, somos parte do mundo natural, interligados e restaurados por ele.

Os estudos apresentados no Simpósio Mundial da Inglaterra sobre Cultura e Saúde, também apresentaram efeitos benéficos para a saúde só de olhar para a natureza. Em um estudo, realizado em Uppsala, Suécia, 160 pacientes cardíacos pós-operatórios foram convidados a olhar para uma paisagem, uma obra de arte abstrata, ou nenhuma imagem. Aqueles que olharam para a paisagem tiveram menor ansiedade, menor uso de remédios contra a dor, e passaram um dia a menos no hospital do que os outros pacientes do grupo [13].

Para colher esses benefícios restauradores da natureza, tudo o que precisamos fazer é cultivar algumas flores ou ervas e desfrutar desse presente de Deus!

Um jardim para todos os sentidos

O paladar é apenas um dos nossos cinco sentidos, e em geral, em um jardim comestível só percebemos este sentido e esquecemos que temos mais quatro – visão, olfato, audição e tato! Para realmente agradar a todos os nossos sentidos, podemos construir um ‘jardim sensorial’. Este é um jardim cheio de cores, aromas, texturas e formas, concebido com o propósito de se envolver com todos os nossos sentidos.

Temos muitas opções aqui – flores e folhagens podem fornecer um caleidoscópio de cores alegrando nossos olhos. Cores frias, como azul, roxo, e branco tendem a ser calmante, e promovem a tranquilidade, enquanto cores quentes, como vermelho, laranja e amarelo são estimulantes e promovem a atividade.
Ervas têm flores muito interessante, assim como a sua principal característica, perfume! A maioria ainda pode ser usada para fazer chás perfumados.
Ervas aromáticas têm ricos óleos aromáticos que proporcionam um cheiro maravilhoso no jardim e sabor fresco na cozinha.
Ervas medicinais crescem em forma, tamanho e cor diferente e podem ser usado para manter a nossa saúde, bem como proporcionar uma exibição impressionante no jardim.
Plantas táteis apelam para o nosso sentido do tato. Folhas macias, suaves como a seda instigam a tocá-los! Forrações e folhas suculentas adicionam interesse tátil em um jardim, como fazem algumas plantas pontiagudas. Escolha plantas que são resistentes o suficiente para serem manipulados frequentemente.
Plantas aromáticas como a hortelã imitam o perfume do mundo das plantas. Eles podem copiar uma gama tão vasta de aromas encontrados no reino vegetal.
O som é um elemento importante, e o ruído das folhas e ervas podem ser bastante suave, como pode ser o fluxo de água a partir de uma fonte de água.
Os seres vivos animam um jardim e trazem muita vida para alegrar o espaço. Use árvores e plantas que atraem pássaros e abelhas para o jardim.
Lembre-se de criar, um local tranquilo com sombra, onde você pode sentar, relaxar e desfrutar do jardim!
Um jardim sensorial e um jardim comestível não são conceitos exclusivos. A adição de plantas “sensoriais” para um sistema produtivo aumenta a biodiversidade, acrescenta mais plantas companheiras que criam relacionamentos benéficos às plantas existentes no sistema, além dos muitos benefícios ecológicos. Flores fornecem fontes de néctar para as abelhas e uma fonte alternativa de alimento para os insetos predadores.

Qualquer jardim, desde uma floresta de alimento até uma pequena horta, pode ser um maravilhoso jardim sensorial. Se ousarmos quebrar as barreiras dos nossos projetos de jardins, criamos oportunidade significativas para o nosso bem estar, que vão muito além de simplesmente produzir alimento.

Ao criar um ambiente aonde podemos reconectar o ser humano com a natureza, estabelecemos os meios para curar a nossa mente, corpo e espírito, e óbvio que também um modo de curar o planeta. Quando cultivamos jardins, alimentamos a vida, cuidando, nutrindo e participando da natureza.

Para citar o permacultor Geoff Lawton:

Todos os problemas do mundo podem ser resolvidos em um jardim.

Jardinagem pode realmente alimentar o corpo, mente e espírito de maneiras que muitas vezes pensamos ser impossível!

Referências:

  1.  J Health Psychol. 2011 Jan;16(1):3-11. doi: 10.1177/1359105310365577. Epub 2010 Jun 3. Gardening promotes neuroendocrine and affective restoration from stress.
    Van Den Berg AE, Custers MH.
    Wageningen University and Research Center, The Netherlands.
  2. Kansas State University (2009, February 17). Gardening Gives Older Adults Benefits Like Hand Strength And Self Esteem. ScienceDaily. Retrieved February 11, 2013, fromhttp://www.sciencedaily.com­ /releases/2009/02/090203142517.htm
  3. American Society for Horticultural Science (2008, December 30). Gardening Provides Recommended Physical Activity For Older Adults. ScienceDaily. Retrieved February 11, 2013, from http://www.sciencedaily.com­ /releases/2008/12/081229104702.htm
  4. Lifestyle factors and risk of dementia: Dubbo Study of the elderly
    Leon A Simons, Judith Simons, John McCallum and Yechiel Friedlander. Med J Aust 2006; 184 (2): 68-70.
  5. European Society of Cardiology (2011, January 19). Eating more fruit and vegetables is linked to a lower risk of dying from ischemic heart disease. ScienceDaily. Retrieved February 12, 2013, from http://www.sciencedaily.com­ /releases/2011/01/110118200815.htm
  6. Ulrich RS (1984) View through a window may influence recovery from surgery. Science 224(4647):420–421.
  7. Neuroscience. 2007 May 11;146(2):756-72. Epub 2007 Mar 23.
    Identification of an immune-responsive mesolimbocortical serotonergic system: potential role in regulation of emotional behavior.
    Lowry CA, Hollis JH, de Vries A, Pan B, Brunet LR, Hunt JR, Paton JF, van Kampen E, Knight DM, Evans AK, Rook GA, Lightman SL.
    Henry Wellcome Laboratories for Integrative Neuroscience and Endocrinology, University of Bristol, Dorothy Hodgkin Building, Bristol BS1 3NY, UK.
  8. Wakefield, S. (2007). Growing urban health: community gardening in South-East Toronto. Health Promot Int, 22(2): 92-101.
  9. Lombard, KA., Forster-Cox, S., Smeal, D., O’Neill, MK. (2006). Diabetes on the Najavo nation: what role can gardening and agriculture extension play to reduce it. Rural Remote Health, 6(4):640.
  10. Armstrong, D. (2000). A survey of community gardens in upstate New York: implications for health promotion and community development. Health Place, (4):319-27.
  11. Are nature lovers happy? On various indicators of well-being and connectedness with nature
    Renate Cervinka, Kathrin Röderer and Elisabeth Hefler
    J Health Psychol April 2012 17: 379-388, first published on August 22, 2011
    DOI: 10.1177/1359105311416873
  12. Fabrigoule, C. (1995). Social and leisure activities and risk of dementia: a prospective longitudinal study. J Am Geriatr Soc, 43(5):485-90
  13. WebMD Feature – Gardening for Health
    http://www.webmd.com/healthy-aging/features/gardening-health
Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s