Agroecologia / Cogumelos / Permacultura

Cogumelos podem salvar sua vida, restaurar os ecossistemas e ajudar o planeta

A maioria de vocês conhece ou já ouviu falar sobre os “cogumelos mágicos” e por isso escrever sobre cogumelos é sempre um assunto bem complexo, especialmente porque as pessoas imediatamente pensam nestes cogumelos mágicos, seus olhos brilham, ou então, podem pensar que isso é coisa de quem ‘comeu e não voltou’. Como não é esse o caso, pelo contrário, esperamos desmistificar alguns preconceitos que dizem respeito ao medo irracional do desconhecido em se tratando de fungos. A não ser que saiba o que está fazendo não incentivamos ninguém a sair por aí colhendo cogumelos na floresta para auto consumo, porque além de perigoso pode ser letal. Então, é preciso lembrar do ditado “Todos os cogumelos são comestíveis, alguns uma única vez!“. 

Já ouviu falar sobre o potencial de integrar cogumelos e outros fungos nos desenhos da permacultura? 

Você pode pensar que é loucura, mas os fungos, especialmente os cogumelos são grandes aliados da permacultura, pois oferecem algumas soluções inteligentes para a criação de ambientes humanos sustentáveis. Estas soluções podem ser colocadas em prática de modo muito simples, por qualquer pessoa, em qualquer parte do mundo. É o que este texto se propõem apresentar. Ele foi inspirado pela filosofia de Paul Stamets,  e seus ensinamentos. A ideia é explorar a função dos fungos nas zonas e setores de forma eficiente, aproveitando por exemplo, os fluxos de resíduos para a alimentação do gado, para apoiar os estoques de composto e seu uso nas agroflorestas, ao mesmo tempo que produzem alimentos naturais de alta qualidade.

Mas o que seria uma completa integração do reino dos fungos nesse desenho?

Segundo a hipótese do pesquisador Paul Stamets – um micologista (ou micetologista) muito respeitado por seus estudos sobre o Reino Fungi – os habitats, assim como as pessoas, têm um sistema de imunidade. E, são os cogumelos e fungos a base da imunidade nas cadeias alimentares dos organismos terrestres. A partir dessa visão, e sobretudo, baseado na nossa estreita relação evolutiva com os fungos, é possível pensar em novas formas para conservar a floresta, aumentar sua diversidade e seus rendimentos, e mais importante que isso: viver integrados a ela. Para a isso, é preciso aprender a tirar proveito dos muitos microclimas da floresta e as funções que as árvores oferecem. Essa é uma gestão de cultivo de alimento a longo prazo, que se desenvolve ao longo do tempo de vida, em vez de uma única temporada, como é feito nos cultivos convencionais.

Observando atentamente os micélios, Stamets sugere nesse vídeo, um inovador modelo utilizando as redes celulares para criar pontes moleculares que regulam a evolução e melhoria dos agroecossistemas. As implicações de sua pesquisa são de longo alcance e podem provocar uma mudança de paradigma na atual sociedade. Suas pesquisas apresentam maneiras de como os micélios fúngicos e cogumelos podem salvar vidas e restaurar os ecossistemas, entre as quais, aponta-se a produção de solos férteis e limpeza do solo poluído, produção de inseticidas naturais, combate a doenças como a varíola além de diversas gripes.

É óbvio que ao preparar nosso alimento utilizando os cogumelos medicinais e comestíveis, estamos envolvendo organismos chave na reciclagem de subprodutos agrícolas e florestais. Por exemplo, em uma agrofloresta localizada na Zona 3, olhar para os fungos é ver a floresta para além das árvores. Nesse caso, as agroflorestas oferecem uma incrível teia da vida, entre árvores, plantas e fungos que podem ser usados como medicamento e alimento, uma vez que ambos nutrem e curam. Nesse sentido, a visão da permacultura toma emprestado de Masanobu Fukuoka – em seu livro A Revolução de uma palha – combinações eficientes, como por exemplo, o desenho e localização da paisagem, a reciclagem de resíduos da agricultura e das atividades de manejo florestal, a diversidade de espécies e sucessão ecológica. Sua consequência inevitável, é fortemente notada na melhoria da dinâmica do sistema, por meio do crescimento extraordinário da produtividade de outros cultivos.

Os cogumelos não são apenas uma fonte de alimento rico em proteínas e saúde para os seres humanos, mas os subprodutos do cultivo de cogumelos liberam nutrientes para outros membros da comunidade ecológica. O rápido retorno de nutrientes de volta para o ecossistema impulsiona os ciclos de vida de plantas, animais, insetos (abelhas), e toda microflora do solo.


permaculture-diagram

Fonte: Fungi

A seguir a tradução de alguns exemplos propostos pelo modelo Stametsian para o cultivo de cogumelos na permacultura:

1.  Shimeji-preto ou cogumelos ostra

O cogumelo Shimeji é um dos mais apreciados por seu sabor delicado, além de ser uma ótima fonte de lisina e vitamina B1 e B12, também funcionando como substituto nutricional para a carne. O cultivo de shimeji requer pouco espaço, pouco sol e apenas alguns cuidados. Podem ser cultivado dentro de casa em hastes pasteurizadas de milho, trigo, arroz, palha de centeio e uma vasta gama de outros materiais, incluindo resíduos do papel e celulose. Além disso, Imerso em água fria e massa de substratos cria um “chá” residual que é um fertilizante nutritivo e potente inseticida. A submersão do substrato e água quente produz uma bebida diferente do “chá” que serve como um herbicida natural potente.

Cogumelos ostra podem ser cultivadas em tocos de madeira e toras. (Algumas variedades de cogumelos ostra crescem naturalmente em madeira de coníferas). Os Pleurotus prosperam rapidamente em pilhas de compostagem e são facilmente cultivados fora com o mínimo cuidado. O resíduos da produção é útil como forragem para vacas, galinhas e porcos. Também, a palha do resíduos pode ser um excelente mulch em solos de jardim fornecendo estrutura e nutrição ao solo.

2. Rei Stropharia

Este cogumelo é ideal na reciclagem de resíduos de madeira e restos de jardins, com a vantagem de prosperar em ambientes complexos. Ataca vigorosamente madeira (serragem, aparas, galhos, ramos). O Rei Stropharia também cresce em substratos isentos de madeira, principalmente solos suplementados com palha cortada. Eu já vi esse cogumelo em jardins desprovidas de restos de madeira, beneficiando o crescimento das plantas vizinhas. Ambientada para latitudes do norte, este cogumelo frutifica quando as temperaturas do ar variam entre 60-90 ° F (15-32 ° C), que geralmente se traduz em temperaturas do solo de 55-65 ° F (13-18 ° C).

Por seis semanas nossas abelhas atacaram o canteiro de cultivo do Rei Stropharia, expondo o micélio para o ar e todo o citoplasma rico em açúcar. Um comboio contínuo de abelhas poderiam ser rastreados, de manhã à noite, a partir de nossas colmeias para o canteiro de cogumelos, até que a cama do rei Stropharia literalmente desabou. Quando um relatório desse fenômeno foi publicado em Harrowsmith Magazine (Ingle, 1988), os apicultores de toda a América do Norte escreveram para explicar que eles haviam sido mistificados pela atração das abelhas a pilhas de serragem. Agora é claro que as abelhas estavam buscando o subjacente micélio doce do cogumelos.

Rei Stropharia é um excelente cogumelo comestível quando jovem. No entanto, a sua comestibilidade declina rapidamente ao amadurecer.  Larvas proliferam dentro do cogumelo em desenvolvimento. Ao alimentar os salmões no tanque de peixes, usando os cogumelos maduros, eu imagine quando joguei, que eles iriam flutuar. As larvas dos cogumelos logo surgiram nadando na água, lutando por ar. Logo os peixes avidamente consumiram as larvas e os cogumelos. Depois de vários dias de alimentação para os peixes baseada nessa dieta, o salmão atacava animadamente o Rei Stropharia em busca das suculentas larvas. Inadvertidamente, eu tinha descoberto que o Rei Stropharia é um bom meio de base para a geração de comida de peixe.

Em seu crescimento, o Rei Stropharia pode ter outras aplicações benéficas vistas na permacultura. Rei Stropharia depende de bactérias de crescimento. Na nossa fazenda, que inclui um pequeno rebanho de vacas pretas Angus, estabeleci duas camas de Rei Stropharia no local aonde antes eram drenados os resíduos que iam parar no tanque do meu vizinho que cultiva comercialmente ostras e amêijoas. Antes de instalar estas camas de cogumelos, coliformes fecais ameaçavam seriamente a qualidade da água. Uma vez que o micélio permeia totalmente as camas de serragem, em um passe de mágica, as bactérias fecais a jusante foram amplamente eliminada. O efeito do micélio foi igual a uma membrana de micro-filtragem. Por localizar corretamente a cama de cogumelo, eu havia descoberto um filtro novo para as águas cinzas, sem bactérias e rico em nitrogênio. A qualidade local da água melhorou. Enormes canteiros de cogumelos foram formados. Depois de três a quatro anos, pedaços de madeira são totalmente reduzida em um solo rico e preto, ideal para o jardim. Durante quase oito anos, tenho continuado a instalar camas de cultivo do Rei Stropharia em depressões que levam até as bacias hidrográficas sensíveis. As agências do governo, geralmente lentos para reagir a boas idéias, finalmente reconhecemos os potenciais  benefícios do filtro formado por micélios. Atualmente, estamos testando em parcelas e monitorado para determinar com mais precisão os efeitos sobre a qualidade da água. Se for bem sucedido, eu imagino a instalação generalizada do cultivo de cogumelos em bacias que conduzem rios, lagos e corpos de água salgada.

3. Shiitake / Manes Nameko 

Cultivo inoculado em registros ao ar livre, parcialmente enterrados ou alinhadas em fileiras da cerca ou da borda. Uma vez que os deixaram de produzir, a madeira maleável pode ser dividido, esterilizados, e re-inoculado.

Em ambientes fechados, estes cogumelos podem ser cultivadas usando substratos esterilizados ou em registros usando os métodos descritos neste livro. Uma vez que terminar a produção, o substrato pode ser reciclado e reinoculado com outro cogumelo, um processo que chamo de sequenciação de espécies (Capítulo XXII.) Mais tarde, os blocos de produção podem ser enterrados em serragem ou solo para provocar bônus em outras culturas do jardim.

4. Maitake / Reishi 

Várias espécies podem ser incorporadas à gestão de uma propriedade sustentável, por exemplo, cogumelos comestíveis podem ser inoculados e enterrado ou tocos de madeira podem ser impregnados. As maiores oportunidades para essa cultura são as regiões do mundo onde predominam madeiras. Atualmente, apenas alguns cogumelos comestíveis e cogumelos medicinais crescem em madeiras coníferas. No entanto, Enokitake (Flammulina velutipes), Reishi (Ganoderma lucidum), Cluster Woodlovers (capnoides Hypholoma), Chicken-of-the-Woods (Laetiporus sulphureus) e Oyster (Pleurotus spp.) São bons candidatos para coníferas e de madeira em decomposição .

5. Shaggy Manes

Um cogumelo cosmopolita, o Shaggy Manes (Comatus) cresce em solos ricos, ambientes degradados, em torno de pilhas de compostagem, e em áreas gramadas e cascalho. Shaggy Manes são extremamente adaptável. Shaggy Mane se comportam como Rei Stropharia e Morels, viajando grandes distâncias a partir da sua localização original de inoculação em busca por nichos de frutificação.

6. Morels

O Morel cresce em uma variedade de habitats, desde pomares de maçã abandonados e olmos doentes às estradas de cascalho e leitos. No entanto, o habitat que facilmente pode reproduzido esse cogumelo é o local queimado. Embora cada vez mais restrito por causa de ordenanças da poluição do ar, são comuns entre os domicílios do país. Se um local assim não for possível, existem alternativas. O habitat complexo de uma pilha de compostagem também apóia o crescimento do Morel. Ao plantar choupos, você pode introduzir desova em torno das zonas de raiz na esperança de criar um cultivo de Morel perene. Cultivadores devem observar que Morels são inconstantes e indescritível, por natureza, em comparação com as espécies mais previsíveis como Rei Stropharia, cogumelo Ostra e cogumelos shiitake.

7.  Espécies de micorrizas

Espécie fúngica que pode ser introduzida por meio de várias técnicas. O melhor método comprovado para plantio são as colônias satélites com plantio de novas árvores e micorrizas que naturalmente produzem Primas, Rei Boletes, Matsutake, trufas ou outras espécies desejáveis, você pode estabelecer colônias satélite de replantação das árvores jovens após vários anos de associação. Para os proprietários de terras que herdam uma monocultura de floresta de conífera com árvores da mesma idade, o permacultor inclinado poderia plantar uma sucessão de árvores jovens, de modo que, ao longo do tempo, uma floresta diversificada poderia ser re-estabelecidos.

8. O Sagrado Psilocybebcmc-ff8803d0

Estes cogumelos compartilham uma forte afinidade para com as atividades humanas. O Psilocybe é um dos cogumelos freqüentemente encontrados desde cascas e aparas de madeira até esterco de gado. Muitos cultivadores espiritualmente inclinados visualizam o estabelecimento do sagrado cogumelo Psilocybe como mais um passo para viver em harmonia dentro de seu ecossistema.


 Estas são apenas algumas espécies de cogumelos que podem ser incorporadas ao desenho de ambientes humanos sustentáveis. Quando fungos são incorporados a permacultura, a saúde ecológica do planeta inteiro se beneficia.

pleurotus-poster1

Fonte: Curupira

E como é possível cultivar cogumelos em casa?

Um passo a passo muito legal disponível no blog do Gardel dos Santos Silveira, conta sua experiência com cultivo de cogumelos em casa. Consideramos o companheiro e permacultor Gardel uma excelente referência no assunto.

            decompositores

“Acredita-se hoje que existam cerca de 200.000 espécies diferentes de fungos, distribuídos na natureza nos diferentes ambientes. São numerosos os cogumelos úteis ao homem. Entre eles, citam-se diversos fungos produtores de antibióticos, sendo o mais conhecido o Penicillinum chrysogenum, produtor da penicilina” (Sítio Curupira).


Se gostou do texto e quer saber mais, disponibilizamos em nossa biblioteca digital duas apostilas que ensinam a cultivar o próprio cogumelo em casa:

*cultivo de cogumelo em pequena escala (pleuroto, shiitake e orelha-de-pau)

*cultivo de cogumelo em pequena escala (Agaricus e Volvariella)

Para ajudar na identificação de espécies pode ser usado esse guia, basta clicar na imagem:

cogumelo

E estes são alguns cogumelos que encontramos recentemente aqui na colônia Witmarsum – Campos Gerais – Paraná.

Créditos imagem da capa (Cubensis): Rafaelle Mendes Fotografia

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s